Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Teste do SSD Kingston A1000 de 240 GiB

       
 6.773 Visualizações    Testes  
 5 comentários

Testamos o SSD Kingston A1000 de 240 GiB, que tem velocidade máxima de leitura de 1.500 MiB/s, formato M.2 2280, interface PCI Express 3.0 x2 e protocolo NVMe.

Teste do SSD Kingston A1000 de 240 GiB
Rafael Coelho Editor-chefe do Clube do Hardware

Introdução

O Kingston A1000 é o SSD NVMe de entrada da Kingston, disponível no formato M.2 e com interface PCI Express 3.0 x2. Testamos o modelo de 240 GiB, que tem velocidade máxima de leitura de 1.500 MiB/s e de escrita de 800 MiB/s. Confira!

O Kingston A1000 pode ser encontrado em capacidades de 240 GiB, 480 GiB e 960 GiB. O código do produto do modelo testado, de 240 GiB, é SA1000M8/240G.

Antes de prosseguirmos com este teste, sugerimos a leitura do tutorial “Anatomia das unidades SSD”, onde você encontrará informações sobre essas unidades.

Como quase todo SSD de baixo custo atual, o Kingston A1000 utiliza memórias 3D NAND TLC, que armazena três bits por célula. E embora, até agora, a maioria dos SSDs de baixo custo utilizem a interface SATA-600, o Kingston A1000 utiliza interface PCI Express 3.0 x2 e protocolo NVMe. Esta interface tem uma largura de banda máxima de 1.970 MiB/s, enquanto a interface SATA-600 suporta transferência de dados a, no máximo, 600 MiB/s. Assim, modelos que utilizam PCI Express têm o potencial de serem bem mais rápidos do que os que utilizam interface SATA, e é por isso que estamos vendo cada vez mais modelos de entrada utilizando esta interface.

Comparamos o Kingston A1000 a dois modelos de capacidade e características semelhantes: o Corsair MP300 de 240 GiB e o ADATA XPG SX6000 Pro de 256 GiB (que utiliza interface PCI Express 3.0 x4). Incluímos também um modelo com interface SATA-600: o Crucial BX500 de 240 GiB.

Todas as unidades testadas têm, na verdade, 256 GiB de memória total, mas nos modelos com menor capacidade nominal, a diferença é reservada para uso interno (“overprovisioning”), usados pelos mecanismos de coleta de lixo e balanceamento de desgaste.

O total de bytes gravados (TBW, que significa a quantidade de dados gravados na unidade até que a mesma possa ter problemas por desgaste) do Kingston A1000 é de 150 TiB. Para saber mais sobre o que significa esta informação, assista ao nosso vídeo sobre durabilidade de SSDs.

Na tabela abaixo comparamos as unidades testadas. Os preços foram pesquisados no dia da publicação deste teste.

Fabricante Modelo Código do Modelo Capacidade Nominal Formato Interface Preço nos EUA
Kingston A1000 SA1000M8/240G 240 GiB M.2 PCI Express 3.0 x2 US$ 50
Corsair MP300 CSSD-F240GBMP300 240 GiB M.2 PCI Express 3.0 x2 US$ 55
ADATA XPG SX6000 Pro ASX6000PNP-256GT-C 256 GiB M.2 PCI Express 3.0 x4 US$ 72
Crucial BX500 CT240BX500SSD1 240 GiB 2,5 polegadas SATA-600 US$ 32

Na tabela abaixo, fornecemos um comparativo de detalhes técnicos das duas unidades. TBW (Total Bytes Written) significa a quantidade de dados que podem ser gravados na unidade até que a mesma possa ter problemas por desgaste. "ND" significa que o fabricante não disponibiliza esta informação.

Modelo Controlador Buffer Memória TBW
Kingston A1000 Phison E8

ND

4x 64 GiB Kingston FH64B08UCT1-31 150 TiB
Corsair MP300 Phison E8

256 MiB

4x 64 GiB Toshiba TA59G55AIV ND
XPG SX6000 Pro Realtek RTS5763DL

-

4x 64 GiB ADATA 12141250912GJCD 150 TiB
Crucial BX500 Silicon Motion SM2258XT

-

4x 64 GiB Micron NW912 80 TiB

Editado por Rafael Coelho

Compartilhar

  • Curtir 7
  • Obrigado 1


  Denunciar Artigo

Artigos similares


Comentários de usuários


Parabéns pelo teste e muito obrigado!
Bastante esclarecedor.

 

"Fica claro que a principal vantagem dos modelos NVMe (pelo menos neste segmento) é na transferência contínua de dados, visto que nos testes de leitura e escrita aleatória com blocos de 4 kiB e profundidade de fila igual a 1, o desempenho destes modelos é bem próximo daquele oferecido pelos modelos SATA."

 

Até o momento, os SSDs padrão SATA continuam entregando a melhor relação custo x benefício. Além do que, o custo desse NVMe está próximo ao custo de uma unidade SATA de 480GB, a qual eu particularmente optaria;

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

concordo com voce mesmo porque ainda temos placas antigas que nao tem este slot

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Em 10/04/2019 às 09:27, ThiagoLuiz disse:

Até o momento, os SSDs padrão SATA continuam entregando a melhor relação custo x benefício. Além do que, o custo desse NVMe está próximo ao custo de uma unidade SATA de 480GB, a qual eu particularmente optaria;

 

Para os SSDs de entrada, no momento os de padrão SATA realmente estão mais em conta que os M.2. Alguns modelos ficam até 15% mais barato na versão SATA. 💰

Além disso, em alguns modelos as versões de maior capacidade oferecem um desempenho melhor. Mais um motivo para considerar um de 480 GB.

 

Citação

Fica claro que a principal vantagem dos modelos NVMe (pelo menos neste segmento) é na transferência contínua de dados, visto que nos testes de leitura e escrita aleatória com blocos de 4 kiB e profundidade de fila igual a 1, o desempenho destes modelos é bem próximo daquele oferecido pelos modelos SATA.

 

Segue um teste um pouco mais detalhado do CrystalDiskMark de um SSD PCIe Gen 3.0 x4 NVMe, com blocos de 4 KiB em profundidade de fila de 1, 2, 4, 8, 16, 32 e sequencial. Além disso, ele inclui também a variação de 1 a 8 threads.

 

CrystalDiskMarkl.png.bfedc4f6d7ad25790c8e1ac6e1159b66.png

 

CrystalDiskMarkg.png.2f355aa7d458e35e7cee3d01c7c5f161.png

 

Um ponto a observar a nesses gráficos é em relação ao padrão SATA. A velocidade máxima teórica do SATA III (6 Gb/s) é de 600 MB/s. Ou seja, a primeira linha acima dos 500 MB/s. Então qualquer valor que você ver neste gráfico acima dos 600 MB/s não é possível de ser alcançado no padrão SATA, apenas no PCIe.

 

A questão que resta é qual a profundidade de fila e threads que melhor representa o uso de um SSD nas tarefas diárias. 🙄 Isso já é algo para o @Rafael Coelho ou alguém com mais conhecimento do que eu no assunto para responder.

 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
3 minutos atrás, Darkmana disse:

 

A questão que resta é qual a profundidade de fila e threads que melhor representa o uso de um SSD nas tarefas diárias. 🙄 Isso já é algo para o @Rafael Coelho ou alguém com mais conhecimento do que eu no assunto para responder.

 

Isso é bastante difícil de responder, já que cada uso é diferente. Carregar o Windows pode representar uma certa quantidade de threads e de profundidade de fila, carregar um jogo outras bem diferentes (provavelmente 1 thread e profundidade de fila igual a 1), copiar arquivos grandes vai ser uma tarefa diferente, e daí por diante.

Esse cenário com vários threads e profundidade de fila alta, provavelmente, só seria alcançado em um servidor de banco de dados bastante carregado, o que obviamente está muito longe do cenário de um computador pessoal.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Em 10/04/2019 às 09:27, ThiagoLuiz disse:

Parabéns pelo teste e muito obrigado!
Bastante esclarecedor.

 

"Fica claro que a principal vantagem dos modelos NVMe (pelo menos neste segmento) é na transferência contínua de dados, visto que nos testes de leitura e escrita aleatória com blocos de 4 kiB e profundidade de fila igual a 1, o desempenho destes modelos é bem próximo daquele oferecido pelos modelos SATA."

 

Até o momento, os SSDs padrão SATA continuam entregando a melhor relação custo x benefício. Além do que, o custo desse NVMe está próximo ao custo de uma unidade SATA de 480GB, a qual eu particularmente optaria;

Exato, eu tenho um RAID 0 de 960 Evo e sempre digo para todos que não vale a compra, é muito melhor comprar um SATA com o dobro de capacidade pelo mesmo valor, isso para quem só JOGA e NAVEGA pela net mesmo.

 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

GRÁTIS: minicurso “Como ganhar dinheiro montando computadores”

Gabriel TorresGabriel Torres, fundador e editor executivo do Clube do Hardware, acaba de lançar um minicurso totalmente gratuito: "Como ganhar dinheiro montando computadores".

Você aprenderá sobre o quanto pode ganhar, como cobrar, como lidar com a concorrência, como se tornar um profissional altamente qualificado e muito mais!

Inscreva-se agora!