Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Que fim levou o computador de baixo custo PIC, da AMD?


     5.362 visualizações    Outros    4 comentários
Que fim levou o computador de baixo custo PIC, da AMD?

A AMD lançou, em 2004, o PIC (Personal Internet Communicator), computador de baixo custo projetado para países em desenvolvimento, parte do projeto “50x15”, cujo objetivo era possibilitar que 50% da população mundial tivesse acesso à internet até 2015.

O dispositivo vinha com interface de exibição de até 1600 x 1200, processador AMD Geode GX 500 com clock de 366 MHz, 128 MiB de memória DDR, um disco rígido de 3,5 polegadas com 10 GB de armazenamento, conexão por linha discada com modem V.92 (56 kbps), quatro portas USB 1.1, áudio AC’97, fonte de 8 W, sistema operacional Windows CE 5.0 e compatibilidade com o Internet Explorer 6.

O PIC custava US$ 185 com teclado, mouse e software para computação pessoal básica pré-instalado ou US$ 249, incluindo também monitor e acesso à internet.

Durante seu período de vida, o PIC foi vendido na Índia, no Caribe, no Brasil, no México e na China, onde empresas de telecomunicações também alugavam os aparelhos para seus assinantes.

No terceiro trimestre de 2006, a AMD decidiu encerrar a fabricação do PIC, alegando vendas insignificantes. No entanto, rumores sugeriam que o projeto era apenas para impulsionar o comércio do processador Geode.

Este processador foi originalmente criado pela Cyrix, com o nome MediaGX, e era um modelo de baixo consumo voltado a sistemas embarcados. Em 1997, a National Semiconductor comprou a Cyrix, renomeando o MediaGX para Geode dois anos depois. A AMD comprou todos os direitos do Geode em 2003, encerrando a sua produção em 2019.

Em dezembro de 2006, a AMD transferiu os ativos de produção do PIC para a Data Evolution Corporation, que passou a comercializá-lo como decTOP, por US$ 99, permitindo a instalação de qualquer sistema operacional compatível com x86.

Diante da estrutura inalterável do PIC ou decTOP, bem como por causa do sistema operacional que não podia ser trocado, o dispositivo tornou-se obsoleto.

Dados da União Internacional das Telecomunicações (ITU), órgão vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU), 43% da população mundial tinha acesso à internet em 2015. Apenas em 2019 esse índice ultrapassou a meta do projeto da AMD, atingindo 51,2% das pessoas. Em 2023, há mais de cinco bilhões de pessoas conectadas, o equivalente a 63% do população mundial.

Mais informações:

  • Curtir 7

Comentários de usuários

Respostas recomendadas

https://www.worldometers.info/br/

 

Não sei se o site está correto mas é bom para ilustrar.

 

Lembro dos projetos similares, mas acredito que de 2012 pra frente os celulares e tablets pegaram este nicho carente de baixo custo e ainda mais com a obrigatoriedade dos governos digitais para ter algum auxilio.

Em pensar que um smartphone hoje custa us$60-110 proximo da realidade de muitos, basicamente o salario de um mes, pensando que naquele periodo us$282 era um valor absurdo, não fazia sentido para o "custo"mas para o consumo eletrico (embarcado).

Projetos similares como arduino e rasperberry ajudaram a matar varios projetos como este, mas se AMD,Intel  e Nvidia não tivessem participado do "hype" este segmento não teria evoluido; hoje no brasil a tv digital só existe por causa destes projetos "falhos", um conversor digital com modem 4g já sai menos de 10% do preço da TV, na epoca mesmo com subsidio do governo era 10% mais barato que a tv nova.

 

Interessante ter levantado este dado histórico par analisarmos como estamos afortunados de tanta tecnologia hoje, eu praticamente uso mais de 60% do meu tempo em mobile mesmo em casa com o computador do lado desligado, fica para tarefas mais complexas apenas.

  • Curtir 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Eu fico pensando se o projeto tivesse abraçado o software livre como o OLPC fez, se ele poderia ter um custo mais baixo e alcançado mais sucesso, em 2004 meu primeiro PC não era muito diferente desse ai, era um K6II 400Mhz com 128MB de RAM e Windows 2000, naquela época mesmo um PC "velho" era absurdo de caro!

  • Curtir 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membro VIP

O AMD Geode GX era um processador deplorável, mesmo para a época. Depois, o PIC migrou para o Geode LX, que, apesar de menos pior, continuava sendo uma lástima. 🙈 (me enganei)

 

O único aceitável foi o Geode NX, que era basicamente um Athlon XP-M com outro nome. 💎

  • Curtir 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisa ser um usuário para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas comunidades sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×
×
  • Criar novo...

 

GRÁTIS: ebook Redes Wi-Fi – 2ª Edição

EBOOK GRÁTIS!

CLIQUE AQUI E BAIXE AGORA MESMO!