Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  

Arquitetura Plug and Play

       
 83.098 Visualizações    Artigo  
 0 comentários

Aprenda sobre o funcionamento da Arquitetura Plug and Play.

Arquitetura Plug and Play

Introdução

O mercado de computadores pessoais vem gradativamente mudando o seu perfil. Primeiramente, o que se observava, no início da década de 80, era que grande parte dos compradores de PCs ou possuíam algum conhecimento técnico ou não se preocupavam com instalações futuras de recursos após o computador ser adquirido. Ou seja, não se tinha o costume de abrir uma máquina e conectar placas, drives ou outros periféricos. Mesmo quando havia uma necessidade de instalação de qualquer componente, exigia-se um mínimo de conceitos técnicos. Ora, era comum, e ainda não deixa de ser, que as configurações de endereços de I/O ou memória, interrupções e canais de DMA fossem determinadas por jumpers e chaves do tipo dip-switch. Daí, no mínimo, era imprescindível saber interpretar alguma literatura técnica, como um manual de placa. E mais, saber mapear endereços ou interrupções, de forma a garantir que não houvesse conflitos elétricos no barramento.

Um outro tipo de problema também era freqüente: o usuário comprava uma placa nova que requeria, em sua instalação, alterar algum parâmetro de configuração de outra placa já conectada e com seu software já inicializado. Certamente, quem não tem tanta intimidade com conceitos de hardware teria certa dificuldade em adequar os device-drivers outrora configurados, tanto nos arquivos "config.sys" e "autoexec.bat", quanto no painel de controle do windows ou outro aplicativo.

Contudo, o perfil de mercado passou a ser dominado por um novo tipo de consumidor: aquele totalmente leigo, o que não sabe sequer o que são interrupções, endereços ou jumpers. Com isso, aquele problema de reconfiguração fica agravado.

Para evitar as referidas dificuldades de configuração, reconfiguração e atualização, que tanto frustavam os usuários, foram idealizados sistemas confortáveis, denominados plug and play, ou seja, conecte e opere.

Então, tecnicamente falando, o objetivo de um sistema plug and play é permitir que a BIOS ou sistema operacional instalem e configurem quaisquer combinações de placas de expansão e dispositivos. Desta forma, aquele método de configuração de jumpers ou chaves passa a ser substituído por um gerenciamento por software. A flexibilidade conseguida com este sistema é tal que permite reconfigurações mesmo em tempo de execução.

Compartilhar



  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Artigos similares


Comentários de usuários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×