Ir ao conteúdo
Entre para seguir isso  

Tudo o que você precisa saber sobre a certificação 80 Plus

       
 217.821 Visualizações    Tutoriais  
 35 comentários

Aprenda sobre a certificação 80 Plus para fontes de alimentação, os tipos existentes, seus requisitos e suas limitações. Atualizado para incluir a certificação 80 Plus Titanium.

Tudo o que você precisa saber sobre a certificação 80 Plus
Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware

Introdução

Eficiência é normalmente um termo negligenciado nas especificações da fonte de alimentação. Eficiência é a relação entre a energia realmente usada pelos circuitos do computador e a energia que chega na fonte de alimentação, influenciando, portanto, a quantidade de energia desperdiçada quando você usa o computador. O problema é que você paga por esta energia desperdiçada. A certificação 80 Plus foi criada para permitir que os consumidores saibam quais fontes de alimentação são mais eficientes e, como o próprio nome sugere, garantir que a fonte é capaz de apresentar eficiência de pelo menos 80%. Atualmente existes seis certificações 80 Plus: tradicional (“branca”), Bronze, Silver, Gold, Platinum e Titanium. Neste tutorial explicaremos a diferença entre elas.

Mas, primeiro, vamos falar um pouco mais sobre a eficiência. Eficiência, que também é representada pela letra grega Eta minúscula (η), é a dada pela divisão da potência fornecida para o equipamento (potência de saída, ou seja, potência CC) pela potência consumida pela fonte de alimentação (potência de entrada, ou seja, potência CA).

Se você tem um equipamento que consome 250 W e uma fonte de alimentação com eficiência de 75%, isto significa que você está extraindo (e pagando) 333 W da rede elétrica. Se o mesmo equipamento tivesse uma fonte de alimentação com eficiência de 85%, ela estaria extraindo da rede elétrica 294 W e você economizaria 39 W. Portanto uma fonte de alimentação com maior eficiência permite a você economizar em sua conta de luz.

As fontes de alimentação não apresentam uma eficiência constante. O gráfico da eficiência é uma parábola invertida, onde a fonte de alimentação apresenta sua maior eficiência ao fornecer por volta de 50% da sua potência rotulada. Nós temos um exemplo na Figura 1.

Curva de eficiência
Figura 1: Exemplo de uma curva de eficiência

Por causa deste efeito é recomendável que você compre uma fonte de alimentação com o dobro de potência que você realmente precisará. Isto explica a disponibilidade de fontes de alimentação “parrudas” acima de 700 W. Os fabricantes não esperam que você extraia toda a potência que a fonte é capaz de fornecer, mas que você extraia delas cerca de 50% para uma alta eficiência (durante nossos testes, no entanto, nós precisamos verificar se a fonte de alimentação realmente pode fornecer sua potência rotulada, ou seja, em uma fonte rotulada como sendo de 600 W nós queremos ser capazes de extrair 600 W dela). A única desvantagem nesta abordagem é o preço de uma fonte de alimentação “parruda”. Mas no longo prazo é uma boa ideia comprar uma fonte “parruda”, já que você economizará em sua conta de luz, seu micro trabalhará mais refrigerado, você terá uma margem maior para futuros upgrades e você não terá problemas de estabilidade na hora de rodar jogos pesados configurados com os recursos de qualidade de imagem no máximo durante horas.

A segunda coisa que você precisa saber sobre eficiência é que as fontes de alimentação apresentam uma eficiência maior quando conectadas na rede elétrica de 230 V (“220 V”), e os valores de eficiência anunciados pelos fabricantes são medidos nesta tensão. Portanto se você mora em uma região onde a tensão da rede elétrica é de 127 V (“110 V”), sua fonte de alimentação provavelmente está apresentando uma eficiência menor do que o valor anunciado pelo o fabricante. Em nosso laboratório a tensão da rede elétrica é de 115 V e em nossos testes nós medimos a eficiência da fonte nesta tensão.

Editado por

Compartilhar

  • Curtir 3


  Denunciar Artigo
Entre para seguir isso  

Comentários de usuários




Alguns fabricantes inserem o selo 80+, qual a diferença entre ele e o 80 Plus?

Nenhuma, "plus" é a mesma coisa que "+".

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Fiquei extremamente desapontado. Como é que pessoas que querem dar um selo de "qualidade garantida" não testam o equipamento nas condições REAIS de uso. Isso é ridículo !

Claro que eles estão certos em parte , como o Gabriel Torres falou, mas pecaram feio nesse quesito.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Em que pese não ser um teste perfeito (essa da caixa térmica a 23 graus foi de doer), é uma boa certificação. não chega a mudar de forma considerável o resultado final, creio eu.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Muda e muito !

Praticamente todos os componentes eletro-eletrônicos são muito sensíveis a temperatura, qualquer aumento pode fazê-lo diminuir a sua corrente, por isso que normalmente se rotula a 50ºC , já que nessas circunstâncias a fonte é realmente testada "pra valer", já que dificilmente veremos um gabinete com uma temperatura interna superior a 50ºC.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Muda e muito !

Praticamente todos os componentes eletro-eletrônicos são muito sensíveis a temperatura, qualquer aumento pode fazê-lo diminuir a sua corrente, por isso que normalmente se rotula a 50ºC , já que nessas circunstâncias a fonte é realmente testada "pra valer", já que dificilmente veremos um gabinete com uma temperatura interna superior a 50ºC.

Cara, se fizesse tanta diferença assim, os testes não seriam tão conceituados.

E mesmo o Gabriel não falou algo do tipo.

A minha fonte por exemplo possui certificado 80 plus bronze. E no teste dela (que estou lendo agora), a diferença foi irrisória em carga máxima (nem 2%).

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Cara, se fizesse tanta diferença assim, os testes não seriam tão conceituados.

E mesmo o Gabriel não falou algo do tipo.

A minha fonte por exemplo possui certificado 80 plus bronze. E no teste dela (que estou lendo agora), a diferença foi irrisória em carga máxima (nem 2%).

A sua hehehe, nas outras a diferença pode ser maior.. e 2% dependendo da carga e do tempo de uso pode ser um investimento a se considerar. ;)

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
A sua hehehe, nas outras a diferença pode ser maior.. e 2% dependendo da carga e do tempo de uso pode ser um investimento a se considerar. ;)

Na Corsair HX 850 a diferença tb foi de 2 % Xita. 2,2 pra ser mais exato.

Para efeito de resultado acaba dando a mesma coisa.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

23ºC para dispositivos eletrônicos é muito pouca coisa, eles devem testar a fonte em pelo menos 45ºC. Achei que era um teste mais elaborado mas vejo que esse teste é menos confiável do que o do CDH. Se estiver errado me desculpem.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
então quer dizer que comprar uma fonte mas parruda 700W vai proporcionar uma redução do comsumo ?

Dependendo do sistema e do uso, sim.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

poderiamos ter também o celo CH80 do clube do Hard né! tudo que vou comprar eu confiro aqui CH primeiro. meu pc foi montado baseado aqui tá aqui em casa a 5 anos muito bem breve vou montar outro baseado nas dicas e teste do CH vida longa pra vocês.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

80 plus é fantasia, só serve pra quem mora no Alaska com seu Pc.

Minha coletek genérica tem uma certificado desses, o 50 Plus! kkkkkkkkk

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Sobre a temperatura, acredito que o método justifica o valor. Como o objetivo do laboratório, pelo o que eu entendi, é tão somente verificar a eficiência da fonte, nada mais correto do que manter a temperatura externa igual a do ambiente (pelo ao menos a do ambiente deles). E olhando por esse ponto, usar 50º nos testes do Brasil está de acordo com a realidade climática de algumas localidades :D

Eu queria saber é de algum modelo que foi certificado 80+ gold ou platinnum, são eficiências que eu nunca vi em fontes de pc (mas já vi uma retificadora de telecom 220V / -48V com 3000W de potência eficiência de 99%, ou seja, é possivel! )

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Sobre a temperatura, acredito que o método justifica o valor. Como o objetivo do laboratório, pelo o que eu entendi, é tão somente verificar a eficiência da fonte, nada mais correto do que manter a temperatura externa igual a do ambiente (pelo ao menos a do ambiente deles). E olhando por esse ponto, usar 50º nos testes do Brasil está de acordo com a realidade climática de algumas localidades :D

Eu queria saber é de algum modelo que foi certificado 80+ gold ou platinnum, são eficiências que eu nunca vi em fontes de pc (mas já vi uma retificadora de telecom 220V / -48V com 3000W de potência eficiência de 99%, ou seja, é possivel! )

A platinum acabou de ser publicada, e ela será restrita a fontes de servidores.

Já a Gold:

http://www.newegg.com/Product/ProductList.aspx?Submit=ENE&N=2010090058%201409743843&name=80%20PLUS%20GOLD%20Certified

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Pensando bem agora, já que eles testam as fontes "para o mundo", ou seja (não testam na caixa térmica deles para um determindo local apenas), esses 23ºC bem que podem ser uma média de temperaturas em diversas localidades do mundo!

Atenção: Não estou dizendo que a metodologia deles quanto à temperatura é correta! Mas como o amigo falou antes, eles devem ter um motivo para tal, afinal eles devem saber a temperatura interna de um gabinete.

Porém, pessoalmente eu também acho que deveria ser feito os testes na temperatura entre 40ºC~50ºC.

Aproveitando, tenho uma dúvida: E se for usado um estabilizador na rede 220 V passando para 110 V? Como fica a eficiência? Seria a mesma coisa que usar diretamente em uma rede com a tensão de 110 V?

Abraços!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Pensando bem agora, já que eles testam as fontes "para o mundo", ou seja (não testam na caixa térmica deles para um determindo local apenas), esses 23ºC bem que podem ser uma média de temperaturas em diversas localidades do mundo!

Atenção: Não estou dizendo que a metodologia deles quanto à temperatura é correta! Mas como o amigo falou antes, eles devem ter um motivo para tal, afinal eles devem saber a temperatura interna de um gabinete.

Porém, pessoalmente eu também acho que deveria ser feito os testes na temperatura entre 40ºC~50ºC.

Aproveitando, tenho uma dúvida: E se for usado um estabilizador na rede 220 V passando para 110 V? Como fica a eficiência? Seria a mesma coisa que usar diretamente em uma rede com a tensão de 110 V?

Abraços!

Uma coisa que deve ser entendida é que temperatura ambiente não é a mesma coisa que temperatura do micro. A temperatura ambiente pode estar 15º e dentro do micro pode estar 60º, tudo depende de como a refrigeração da CPU/VGA etiver sendo feita.

O estabilizador também tem um indice de eficiencia semelhante ao da fonte, ou seja, consome uma parte da energia ao fazer conversão de energia e chaveamento.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Uma coisa que deve ser entendida é que temperatura ambiente não é a mesma coisa que temperatura do micro. A temperatura ambiente pode estar 15º e dentro do micro pode estar 60º, tudo depende de como a refrigeração da CPU/VGA etiver sendo feita.

O estabilizador também tem um indice de eficiencia semelhante ao da fonte, ou seja, consome uma parte da energia ao fazer conversão de energia e chaveamento.

dcaparros, eu não quis dizer que a temperatura ambiente é a mesma coisa que a interna do gabinete, não foi dito isso.

Acontece que a temperatura ambiente influencia SIM na temperatura interna do gabinete, quis dizer que eles devem ter tomado como base algum cálculo da média da temperatura ambiente, porque se você for ver, como seria calcular uma média da temperatura interna do gabinete dos usuários? Cada um que se vire na refrigeração, porca ou não, do seu gabinete. Eles considerariam que a refrigeração do gabinete é ideal.

Mudando de churrasco pra mondongo agora... você não saberia me dizer mais ou menos quanto um estabilizador consome para fazer essa conversão? Será que não é melhor ligar direto a fonte sem ele?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Eles consideram 25 graus pois em vários países as casas e empresas tem ar climatizado. ;)

Tá explicado! Eles revelaram isso?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Tá explicado! Eles revelaram isso?

Não sei, mas é uma conclusão que chegamos depois de refletir sobre o assunto, e se não me engano, o faller já falou disso em algum tópico de comentário de artigo/teste aqui no forum. ;)

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Evandro, eu discordo de você, fontes com 80 Plus Platinum não são restritas a servidores, pois há 3 delas que são ATX12V:

FSP450-60PTM da FSP de 450W

GW-ATX400(92+) da Greatwall de 400W

HP-1200-G14S©-PT da HIGH POWER de 1200W

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Evandro, eu discordo de você, fontes com 80 Plus Platinum não são restritas a servidores, pois há 3 delas que são ATX12V:

FSP450-60PTM da FSP de 450W

GW-ATX400(92+) da Greatwall de 400W

HP-1200-G14S©-PT da HIGH POWER de 1200W

Naquela época eles disseram que seria sõ pra servidores. ;)

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário






Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×