Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se
cesardelta1

Potência de áudio RMS e PMPO não existe? Como se mede essa potência?

Recommended Posts

Andei pesquisando sobre a relação de “potência” de áudio entre RMS e PMPO e cheguei a conclusão de que não existe relação entre as duas e que PMPO é só uma bobagem para encher os olhos dos leigos.

 

Mesmo assim, na extensa pesquisa que fiz (na internet) não consegui descobrir como se calcula a potência de áudio.

 

Na elétrica multiplicamos a tensão pela corrente consumida pela carga para chegar a potência dessa carga.

 

porém em um amplificador de áudio a carga é um falante, que é uma carga indutiva, então teríamos que levar em consideração as potências em Watt e em Var já que o falante é uma bobina, aí complicam os cálculos.

 

Já foi discutido em off topics aqui no fórum a questão de potências de aparelhos de som, se dito aparelho dava ou não dava tal potência, inclusive fizeram relação entre potência de áudio e consumo elétrico do aparelho, mas acho que não é por aí, ou eu entendi errado.

 

Também li uma matéria de um “PY” que diz, que não deveria ser usado RMS para designar a potência de áudio ... então ele expressou tantos cálculos que eu desisti de tentar entender hehehe

 

Para que tiver interesse o link é esse:

http://www.813am.qsl.br/index.php?option=com_content&view=article&id=187:watts-rms&catid=47:coluna-py2ko&Itemid=79

 

 

Então gostaria da opinião de vocês, como se mede a potência sonora em Watts de um amplificador de áudio?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Potência PMPO é medida do mesmo modo como se mede os cerca de 500 Watts propalados pela imensa maioria de fontes de PC, das mais vagabundas, que proliferam nosso mercado e que na prática tem sua capacidade de entrega variando de 80 a 210 Watts...

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Watts é potencia eletricia, então é V x I! É so isso... Nao tem pegadinha...

RMS significa potencia media continua, porque o sinal é alternado e nao DC, da mesma forma que você mede uma potencia numa tomada senoidal 60Hz, você mede a potencia de um amplificador!

Também li uma matéria de um “PY” que diz, que não deveria ser usado RMS para designar a potência de áudio ... então ele expressou tantos cálculos que eu desisti de tentar entender hehehe

Watts RMS nunca foi designada a potencia de audio! Tem mal entendido ai!

Li esse artigo... Falou falou falou pra nao falar nada!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Esse é um assunto polêmico, como você notou. PMPO é uma medida inventada para inflar a potência dos amplificadores pra fins de marketing. Como os sinais de áudio tem frequência variável e o alto-falante é uma impedância, adota-se como referência um sinal senoidal de 1kHz e mede-se a potência RMS desse sinal, para ter uma base de comparação. Existe certo consenso de que essa medição é consistente.

 

Você comentou que em elétrica P = V.I. Isto se aplica para circuitos puramente resistivos. Para corrente alternada senoidal, frequência constante, circuitos reativos, P = Vef Ief x Fator de potência (ou cos fi) que é a Potência ativa, que produz trabalho.  Vef Ief são os valores eficazes (ou RMS) dos fasores de tensão e corrente.

 

Quanto a questão do consumo do aparelho existe um correlação sim. Um amplificador não pode gerar potência do nada. Um amplificador que diz ter 50 W de saída mas absorve 20 W da rede elétrica é um engodo. Todo equipamento tem perdas (rendimento < 1), então a saída tem que ser menor que 20 W.

  • Curtir 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Watts é potencia eletricia, então é V x I! É so isso... Nao tem pegadinha...

RMS significa potencia media continua, porque o sinal é alternado e nao DC, da mesma forma que você mede uma potencia numa tomada senoidal 60Hz, você mede a potencia de um amplificador!

Watts RMS nunca foi designada a potencia de audio! Tem mal entendido ai!

Li esse artigo... Falou falou falou pra nao falar nada!

Então realmente a potencia descrita em Watts nos anúncios e nas embalagem de aparelhos de som e a potencia elétrica de consumo do aparelho?

 

Para corrente alternada senoidal, frequência constante, circuitos reativos, P = Vef Ief x Fator de potência (ou cos fi) que é PotÊncia ativa, q

 

Sim, por isso eu disse que os calculos complicam no caso de medir potência sonora em Watts, se é que isso existe.

De novo este assunto?

O assunto e: como se mede potencia sonora em watts?

Você teria um tópico sobre isso que possa ter passado despercebido pela poderosa ferramenta de busca do fórum?

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sim, por isso eu disse que os calculos complicam no caso de medir potência sonora em Watts, se é que isso existe.

Exato, é precsio definir uma forma de medir e é daí que surgem vários tipos de "Watt" .

  • Curtir 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vamos lá.. ponha um microfone na frente do alto-falante, e grude volume.... o som ensurdecedor pode ser o tal do PMPO.... Pergunto: é música?

 

O RMS 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pot%C3%AAncia_de_%C3%A1udio

 

mas... cumpra-se notar que, mesmo o RMS, agora tem uma nova versão, que é somar os "RMS" de cada fonte de áudio.

http://www.samsung.com/br/support/model/MX-C870/XAZ

Venda de 1100W RMS, será?

 

Bora lá, a versão mais jovem do meu:

Potência do alto-falante frontal640 WTamanho do driver alto-falante frontal (woofer, tweeter)8"Potência do alto-falante traseiro330 WTamanho do driver do alto-falante traseiro (woofer, tweeter)5.25"Potência do subwoofer640 WTamanho do driver subwoofer10"

Fonte:

http://www.pontofrio.com.br/audio/audioaparelhos/MiniSystem/Mini-System-Samsung-MX-F870-ZD-com-Subwoofer-MP3-Karaoke-Entrada-USB-e-Ripping-%E2%80%93-1-600-W-1970890.html

 

 

Antes.. um comentário na wikipedia, e acho que foi o Faller que escreveu,  kkkkkk

 

 

 Entre especialistas, tal termo é conhecido com o seu real significado e, portanto, apresenta a conveiente utitidade despida de apelos secundários.

 

Então.. inicialmente, RMS e PMPO. Servem pra tudo, no quesito venda, mas nada, se tu quiser de fato saber a real potência, se aguentará, etc....

 

Para saber:

só estudando mesmo....

 

mas PMPO,. tchau e benção... esse tá morto. 

 

Vi num outro lugar, (perdi meu favorito) que o RMS seria a potência obtida em ruído rosa.. também não achei mais essa menção.

 

Enfim... RMS eu diria que é o mais próximo do REAL, se considerado fonte a fonte.. E um som qualquer de 250+250+250+250 não tem 1000 RMS... eu diria no máximo 500, porque o áudio "se anula"

 

Mas eu sou hobbysta, e ainda não entusiasta, então... prefiro me enganar no rms não somado... e largar o pmpo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Visitante

Então realmente a potencia descrita em Watts nos anúncios e nas embalagem de aparelhos de som e a potencia elétrica de consumo do aparelho?

 

 

Sim, por isso eu disse que os calculos complicam no caso de medir potência sonora em Watts, se é que isso existe.

 

 

 

Hua Hua Hua... Assunto complicado!!

  Ate onde eu sei, por definição o Valor RMS é o valor proporcional em em corrente continua, imagine assim: se você aplicar qualquer forma de onda em um resistor ele vai aquecer, existe um valor de potencia dissipada em corrente continua na qual o resistor aqueceria na mesma proporção, este é o valor RMS... O problema desta regrinha é que só é valida na carga, ou seja nos falantes, pois na saída dos equipamentos de som, cada fabricante tem seu jeito de medir, um método que já vi e parece que é meio padrão é o de aplicar um sinal conhecido (geralmente senoidal) na entrada do amplificador e medir a potencia na saída (o mesmo método citado pelo Ricardov).

 

   Só que devemos ter a seguinte linha de raciocínio: de que valeria para um fabricante colocar o valor Eficaz sendo que um leigo se orientaria "pelo numero maior de Watts" (por não saber da diferença que RMS e PMPO), acho que por isso, mesmo que esteja especificado o valor em RMS sempre a potencia vai ser menor do que a medida na pratica.... Digo isso por que fiz alguns testes em módulos de Som para carros e aparelhos que prometiam 700 Watts RMS entregavam tipo 500 Watts RMS (medido usando o esquema de aplicar um sinal Senoidal na entrada), os outros 200 Watts fica por conta da imprecisão da media (huahuahua).

 

  Como eu disse la no começo é um assunto meio complicado, pois cada um faz de um jeito e no final nada bate com o descrito.

 

  Espero ter ajudado em alguma coisa...hehe

Grato Luiz Gustavo.

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Andei pesquisando sobre a relação de “potência” de áudio entre RMS e PMPO e cheguei a conclusão de que não existe relação entre as duas e que PMPO é só uma bobagem para encher os olhos dos leigos.

 

Existe sim uma relação.

 

Mesmo assim, na extensa pesquisa que fiz (na internet) não consegui descobrir como se calcula a potência de áudio.

 

Na elétrica multiplicamos a tensão pela corrente consumida pela carga para chegar a potência dessa carga.

 

porém em um amplificador de áudio a carga é um falante, que é uma carga indutiva, então teríamos que levar em consideração as potências em Watt e em Var já que o falante é uma bobina, aí complicam os cálculos.

 

Já foi discutido em off topics aqui no fórum a questão de potências de aparelhos de som, se dito aparelho dava ou não dava tal potência, inclusive fizeram relação entre potência de áudio e consumo elétrico do aparelho, mas acho que não é por aí, ou eu entendi errado.

 

Também li uma matéria de um “PY” que diz, que não deveria ser usado RMS para designar a potência de áudio ... então ele expressou tantos cálculos que eu desisti de tentar entender hehehe

 

Para que tiver interesse o link é esse:

http://www.813am.qsl.br/index.php?option=com_content&view=article&id=187:watts-rms&catid=47:coluna-py2ko&Itemid=79

 

 

Então gostaria da opinião de vocês, como se mede a potência sonora em Watts de um amplificador de áudio?

 

Quando estava na faculdade, a potência ELÉTRICA de um amplificador estéreo era definida nas seguintes condições:

1 - Ambos canais com a potência máxima. Potência máxima definida quando a distorção harmônica alcançasse um determinado valor. 0,1% ou 1%.

2 - Os alto-falantes eram substituídos por um resistor de carga de 8 Ohms ou de 4 Ohms.

3 - A potência era mantida na máxima durante algum tempo.

4 - A frequência da senóide era de 1kHz.

 

Então uma especificação comum era:

X + X Wrms com 0,1% de distorção harmônica, e cargas de 4 Ohms na frequência de 1kHz.

Bons aparelhos incluíam a distorção por inter-modulação, mas isso já é outro papo.

Bons aparelhos incluíam a distorção e a potência em outras frequências.

 

O que ocorreu era que os fabricantes dos maus aparelhos, para competir com estes bons, criaram outra unidade de medida.

Não consideravam a unidade Wrms.

Passaram a fazer o seguinte, para que a potência daquelas merd... err daqueles seus amplificadores tivessem valores até maiores que os bons amplificadores, com circuitos sofríveis.

1 - Desligavam um dos canais. Assim a tensão da fonte de alimentação subia por falta de carga de um dos canais.

2 - Como a tensão da rede possui variações para mais e para menos, sem ser considerada fora das especificações, usavam a máxima tensão da rede. A fonte era apenas um trafo, uma ponte retificadora e um capacitor. Não há regulador. Então a tensão da fonte subia mais ainda.

3 - Para aumentar a potência, mediam com carga menor ainda. Algo como 2 Ohms.

Claro que se deixassem ligado por algum tempo, a tensão de alimentação diminuía, o amplificador sobreaquecia. Aí então decidiram fazer a medida da potência logo no instante inicial, não dando tempo do amplificador sobreaquecer e nem, a tensão da fonte cair.

Chamaram esta potência de potência instantânea. Além de, teoricamente, ser 2 vezes maior, pois a tensão era de pico, que ao quadrado duplica o valor rms, com a tensão da fonte maior a tensão de pico de alimentação aumentava ainda mais a potência. Com uma carga de 2 ohms, ainda dobrava a potência.

Conclusão! vendiam gato por lebre.

 

Há pouco tempo me interessei em comprar um amplificador. A potência informada era de algo em torno de 1kW. Um absurdo! Pura propaganda enganosa. O que ocorre atualmente é que os fabricantes de nome se sentiram prejudicados por informar a potência do modo tradicional. Assim tiveram que "entrar no jogo" e informar a potência do modo errado.

Para você ter uma ideia, eu frequentava uma boate de clubinho, onde o amplificador possuía a potência de 50Wrms + 50Wrms. Com o volume máximo chegava a doer os ouvidos.

 

Agora você, sem querer, mencionou potência sonora em watts. Quando você usa o termo sonora, a unidade não é mais Watts.

Explico.

Quando você menciona "sonora", significa que é som. Para som a unidade é PRESSÃO SONORA. Aí já leva em conta a EFICIÊNCIA DAS CAIXAS ACÚSTICAS.

Esta é a que mais se aproxima da verdade, já que a eficiência das caixas acústicas podem variar muito e é função da frequência.

 

MOR_AL

  • Curtir 6

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Potencia em watts é a potencia do amplificador, se tal aparelho diz ser 1000W rms, o aparelho tem essa tal potencia "eletrica"!

A intensidade sonora é medida em dB, e nao tem nenhuma ligacao com a potencia eletrica, posso ter 10W e produzir 98dB, ou ter 20W e produzir 95dB!

Agora nao entendi o que voce comentou sobre consumo e potencia em watts!

Quando você tem 4 amps de 250W, se resultam em 1000W, isso se os 4 estiverem amplificando o mesmo sinal, agora se cada um estiver amplificando uma faixa, o 1 os subgraves, o 2 os medios graves, o 3 medios agudos, e o 4 agudos, esse sistema tera somente 250W no padrão musical... Nao deixa de ser errado falar que se eu botasse os 4 pra reproduzir ao mesmo tempo suas faixas na potencia maxima, é certo que se tenha 1000W... Nao e errado... De fato estão consumindo e dando 250W de "eletricidade" cada um! Mas para o padrão musical nunca vão reproduzir os 4 ao mesmo tempo em potencia maxima de cada!

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

mas... cumpra-se notar que, mesmo o RMS, agora tem uma nova versão, que é somar os "RMS" de cada fonte de áudio.

http://www.samsung.com/br/support/model/MX-C870/XAZ

Venda de 1100W RMS, será?

Bora lá, a versão mais jovem do meu:

Potência do alto-falante frontal640 WTamanho do driver alto-falante frontal (woofer, tweeter)8"Potência do alto-falante traseiro330 WTamanho do driver do alto-falante traseiro (woofer, tweeter)5.25"Potência do subwoofer640 WTamanho do driver subwoofer10"
Na verdade existe uma má interpretacao por parte da "ignorância" dos consumidores e também pela falta de vontade do fabricante informar os minimos detalhes..

Quando tal fabricante bota na etiqueta 500W rms, e especifica 2 canais de 250W, significa que esse aparelho tem 500W de potencia eletrica!

Mas quando ele bota na etiqueta 1000W rms e especifica que o aparelho tem canais de graves/agudos separados, ele vai especificar a potencia de cada um, ex:

400W x 2 graves, 100W x 2 agudos.... Nesse caso, esse aparelho ira produzir intensidade sonora igual a um amp estereo de 800W (400 x 2)!

A questao é que X watts é somente potencia eletrica, nada a ver com potencia sonora, então logicamente o fabricante ira somar a potencia eletrica dos canais, os 1000W significam 1000W total que aquele equipamento possui de potencia eletrica em amplificadores, o unico motivo de informarem 800W, é de passar o quanto se vai ter de intensidade sonora, mas a unidade "watts" nao se trata dessa medicao! Muitos encaram isso como uma mentira por parte do fabricante... Mas se trata de uma interpretacao, uma logica... Se a potencia rms nao esta relacionada a potencia sonora, então é logico que a potencia em watts serve para informar o quanto de potencia eletrica tal equipamento tem em amplificadores, por isso se soma tudo... 1000W nao serao mentira, mas também nao significa que a utilizacao comum de um consumidor vá usa los todos dando suas potencias maximas ao mesmo tempo...

O unico fator que impede isso, é o padrão da musica, se numa musica tem graves e agudos, significa que o grave deve dividir a amplitude maxima possivel com a do agudo, ou seja, se no momento tiver grave e agudo, significa que o grave pode ter 70% e os agudos 30% de amplitude.. Ou 50% e 50%... Etc...

Exemplo pratico: 90% de graves e 10% de agudos, então naquelo aparelho de 1000W (2x400sw, 2x100tw), terei 720W de graves (90% da escala), e 80W de agudos (10% da escala), resulta em 800W rms... Nao da pra se ter 100% de grave e 50% de agudos por exemplo, pois resultaria em 150%, a maxima amplitude de uma musica é 1 (100%).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@MOR

Na minha pesquisa, eu li algumas vezes isso que você disse sobre medir a potencia usando uma carga resistiva  e achei que era mesmo a melhor forma de medição.

Realmente esperava que você respondesse esse tópico para confirmar ou não.

Muito obrigado.

Quanto ao caso dos fabricantes sérios terem que entrar nesse jogo do PMPO:

É a mesma coisa que você entrar agora na politica, ou você entra na máfia ou morre, não tem saída.

 

 

Potencia em watts é a potencia do amplificador, se tal aparelho diz ser 1000W rms, o aparelho tem essa tal potencia "eletrica"!

A intensidade sonora é medida em dB, e nao tem nenhuma ligacao com a potencia eletrica, posso ter 10W e produzir 98dB, ou ter 20W e produzir 95dB!

Agora nao entendi o que voce comentou sobre consumo e potencia em watts!
Quando você tem 4 amps de 250W, se resultam em 1000W, isso se os 4 estiverem amplificando o mesmo sinal, agora se cada um estiver amplificando uma faixa, o 1 os subgraves, o 2 os medios graves, o 3 medios agudos, e o 4 agudos, esse sistema tera somente 250W no padrão musical... Nao deixa de ser errado falar que se eu botasse os 4 pra reproduzir ao mesmo tempo suas faixas na potencia maxima, é certo que se tenha 1000W... Nao e errado... De fato estão consumindo e dando 250W de "eletricidade" cada um! Mas para o padrão musical nunca vão reproduzir os 4 ao mesmo tempo em potencia maxima de cada!

Tecnicamente falando, Isso faz muito sentido, não havia pensado nisso.

 

Mas no caso dos aparelhos de som de hoje em dia nas vitrines das loja...

Quanto menor o custo de fabricação melhor, então não teriam mais de um amplificador em um aparelho, ou tem?... sei lá!

 

 


 

Antes.. um comentário na wikipedia, e acho que foi o Faller que escreveu,  kkkkkk

 

"Entre especialistas, tal termo é conhecido com o seu real significado e, portanto, apresenta a conveiente utitidade despida de apelos secundários."

@ilkyest

Esse texto é mesmo a cara do Faller! hahaha

Se fosse em um site menos formal, imagina as alfinetadas que ele daria...kkkkk

Aí teríamos certeza que foi ele.

Obs: Não consigo mais assistir os Simpsons sem pensar nas alfinetadas do Faller kkkkk

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@MOR

....

Quanto ao caso dos fabricantes sérios terem que entrar nesse jogo do PMPO:

É a mesma coisa que você entrar agora na politica, ou você entra na máfia ou morre, não tem saída.

 

.....

Infelizmente, concordo com você.

MOR_A

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Os aparelhos de hoje tem sim mais de um amp! Um exemplo é esses sons de hoje... Tipo um SONY SHAKE 99, que declara 4000W rms na etiqueta, e no manual especifica a potencia de cada um dos "6" ampliticadores que tem nele!

Graves: 1200W x 2

Medios: 700W x 2

Agudos: 300W x 2

Este aparelho então rendera 2400W rms numa musica, mas é correto falar que este aparelho tenha 4400W rms de amplificadores, de fato ele tem essa potencia eletrica, mas como ja expliquei, o padrão de qualquer sinal musical so fara extrair 2400W rms disso tudo:

Num momento da musica que so tenha grave, então esse grave pode ter a amplitude de 100%, o amp de graves então tocara a 2400W, e os outros nada, pois so ta vindo grave...

Agora num momento que esta vindo grave misturados com medios e agudos, pra por agudos e medios junto fom o grave, o grave nao pode ter mais 100% de amplitude, a soma de todos devem resultar no max 100% de amplitude.

Ex:

60% de graves

30% de medios

10% de agudos

Fara os amplificadores reproduzirem:

Graves: 720W x 2

Medios: 360W x 2

Agudos: 120W x 2

Total: 2400W!

O que faz o fabricante especificar um consumo bem abaixo da potencia que esta na etiqueta! Tem explicacao...

Os watts rms que diz na etiqueta, se designa a informar ao consumidor qual e a potencia dos amplificadores....

O consumo em watts, se designa em informar qual é o consumo medio com o aparelho em uma utilizacao normal, para que o consumidor saiba quanto vira na conta...

Se trata de aparelho de som, reproduz musica, e a musica varia muito, pode dar os 2400W naquele momento do grave, e dar 100W quando o cantor esta numa passagem suave...

então tem o fato de que os amp nao vão tocar todos no maximo ao mesmo tempo, ja cai pra 2400W, e mais o fato da musica ser bem variante, faz esses 2400W cair pra metadeda metade, 700W....

700W e o consumo medio desse aparelho, como esta no manual, 1/4 da potencia total, e aproximada, varia com o tipo de musica, vai ter musica que vai dar bem menos que isso de media, e outras mais, se usa a media.

Tem gente que acho que os aparelhos antigos ou proficionais especificando o consumo maior que sua potencia rms é melhor do que o padrão dos fabricantes de minisystem...

Na verdade os minisystens estão mais bem especificados do que aqueles!

Especificar consumo de 150W num amp de 100W rms, seria contra logica, quase mentira, ou então esse equipamento esta com muita falta de informacao...

Pois o consumidor vai ver aue se ficar 1hr com ele no vol maximo escutando suas variadas musicas, nao vai ter 150W marcado no relogio do quadro de luz! O que conclui que esse fabricante nao disse o consumo verdadeiro do equipamento dele porcaria nenhuma! Especificou o consumo do aparelho com uma senoide continua no amp, contra a logica e errado ja que ninguem vai escutar senoide no amp, só musica... O objetivo mais logico da especificacao de consumo seria informar quanto de energia ele vai consumir la na sua casa!

nesse caso então, poderia se dizer que os fabricantes de minisystens revolucionaram o jeito de especificar o consumo, para melhor!

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

boa parte dos equipamentos novos, e isso ja vinha neste aqui

mqdefault.jpg

 

tinha mais amps... a Impedancia de cada um é diferente. Me atrevo a dizer que adaptaram amps de home theather

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu usava o seguinte método :

Para o caso de um amplificador apenas ( isto é, não tem caixa acústica integrada ), creio que a maneira mais sensata de se medir a potēncia real é fazer a medida de acordo com as normas americanas atuais, e obteremos a medida em Watts Rms, com os dois canais excitados ao mesmo tempo, com distorção harmônica de 0,1%. Pelo menos é algo que pode ser comparado de maneira objetiva.

Já para o caso de aparelhos que integram amplificadores e caixas acústicas, sou da opinião que devemos medir a pressão sonora do sistema, isto é, além de obter a potência Rms aplicada às caixas, devemos medir a pressão sonora a 1 metro de distância, de acordo com as normas. Afinal, de que adianta um maravilhoso e potente amplificador de 1000 WRms aplicado a uma caixa acústica de baixo rendimento, que entrega uma pressão sonora 6 Db abaixo da de uma caixa acústica de qualidade ? Teremos o mesmo resultado de um amplificador de 250 WRms, e eu entendo que fazer isso é mais uma maneira de enganar o consumidor.

É aquela velha aula de engenharia : nenhum sistema é mais forte do que o seu componente mais fraco...

Paulo

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@aphawk

Eu estava te aguardando pacientemente, mas se você não aparecesse por aqui, eu com cerveja,...quer dizer...com certeza iria pedir sua opinião. hehehe

 

Indica um link ou o nome do instituto, organização, universidade..etc que tem esse artigo.

 

Quais são as normas Estadunidense para a medição?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@cesardelta1,

 

Opa, eu trabalhei tanto com som que isso corre nas veias ...

 

A norma Internacional é a IEC 60268-3, a própria ABNT cita ela em algum lugar sobre o problema de se apresentar potência de amplificadores.

 

Veja ela aqui, voce vai adorar ver quanta coisa eles espeçificam para que se faça uma simples medição !  

 

Seria muito bom que todos os que costumam postar sobre esse assunto dessem uma lida bem completa....

 

http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=8&ved=0CEgQFjAH&url=http%3A%2F%2Faau-eit-p3-2010.googlecode.com%2Fsvn%2Ftrunk%2Fdiverse%2Fstandarder%2FIEC60268-3.pdf&ei=NygQVbKkI6HlsATI3oLADA&usg=AFQjCNERAT1awHFf4gfmwit1Z_puyvNptQ&bvm=bv.88528373,d.cWc

 

Divirta-se !

 

Paulo

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@aphawk

 

BARALHO!!!

 

Muito mais informação do que eu imaginava.

Passei a noite lendo ontem e ainda não acabei, isso parece as normas da ABNT paras engenharia da construção civil :o

 

Os fabricantes deveriam ler isso antes de mandar para sua equipe de marketing.

 

Muito obrigado Paulo, como já disse antes:  nós pedimos uma mão e você dá o braço, a perna .... deixa eu parar por aqui...hehehe

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@cesardelta1,

Opa, tá me estranhando é ???? Kkkk sai fora !!!!

Antigamente, a norma mais utilizada era a IHF, mas logo bolaram tantas maneiras de se medir usando truques não previstos pela norma e desta maneira obtinham resultados maiores do que os reais.

Quando perceberam que isso ocorria devido às condições do teste não terem sido completamente definidas, resolveram criar uma nova norma que não deixasse espaço para se inventar maneiras de driblar, e isto levou à essa nova norma, a qual tem tanto detalhe que acabou ficando enorme!

Mas ela é considerada um clássico da Engenharia, pois foi escrita por dezenas de engenheiros especializados em áudio, que ficavam imaginando maneiras de se burlar a norma e então incluiam novas exigências para que não fosse possível ser burlada mesmo !

Porisso que acho uma excelente ideia que todos dessem uma boa olhada nela, existe muito conhecimento técnico nela !

Vou aproveitar e comentar sobre um post do Roberto.

Um sistema composto por três amplificadores, mas onde cada um amplifique uma faixa de frequências diferente da dos outros, tem o mesmo resultado de apenas um único amplificador que amplifique todas as frequências juntas.

Um sistema composto por vários amplificadores, como um home teather, pode também se encaixar nesse mesmo funcionamento quando reproduz um som DTS ou Dolby multicanal, pois nem todos são excitados ao mesmo momento. Mas se o som reproduzido è um show onde cana canal está tocando uma parte da música, por exemplo instrumentos separados em cada canal, aí sim pode-se pensar em somar as potências.

Enfim, som multicanal é um assunto emocionante, eu me lembro que quando ainda estava no colégio um amigo foi para a Disney, e de lá me trouxe de presente um disco do Pink Floyd, o Dark Side of the Moon, mas com uma novidade mundial : era gravado em Quadrifonia SQ !!!

Até aquele dia só tinha visto aparelhos de som estéreo, e claro que iria demorar um tempão para alguém fabricar no Brasil um aparelho quadrifônico, e o preço seria astronômico. Então, guardei o disco.

Dois anos depois, lí em uma revista americana de eletrônica que a Motorola tinha lançado um CI decodificador, que recebia o sinal estéreo que vinha do toca-discos e transformava em quatro canais na saída, e fiquei doido pra arrumar o maldito CI. Dois meses depois, saiu uma montagem de um decodificador SQ completo, usando os CIs MC1312, 1314 e 1315. Fiquei mais doido ainda, e novamente o mesmo amigo foi para a Disney e conseguiu comprar os três Cis !

Quando ele me trouxe os CIs, em 1977, eu desenhei uma placa PCB , e montei o danado. Mas como escutar se eu tinha apenas um amplificador estéreo de dois canais ?

Então combinei com um outro amigo doido por som, e no fim de semana marcamos um grupo de amigos e juntamos os dois amplificadores mais potentes e as quatro caixa acusticas melhores que tínhamos, e colocamos as caixas em formato de cruz, e nos sentamos no meio, e coloquei o famoso disco num excelente toca-discos Garrard, com uma cápsula magnética top de linha mesmo.

Olha, foi a experiência mais impressionante que tive com som, ver a maneira que o som rodava em volta de nós, as mudanças rápidas de uma caixa lateral para uma frontal, era uma coisa que até hoje eu não esquecí. Eu tinha 17 anos, e logo dei um jeito de montar outro amplificador, outro par de caixas acústicas, e comprei vários discos com a etiqueta SQ, e literalmente eu viajava escutando isso no meio do quarto, reparando os detalhes da mixagem, enfim curtindo muito! Os efeitos que o Pink Floyd colocou nesses discos eram revolucionários, e claro que se deve bastante também ao famoso engenheiro de som que fazia as gravações.

Éramos 4 colegas loucos por som, e até hoje nos encontramos uma vez por mes, onde ficamos relembrando fatos ocorridos 40 anos atrás, com o mesmo coleguismo que sempre tivemos. É uma coisa tão rara isso hoje em dia, que agradeço a Deus poder desfrutar dessas experiências.

Resolví contar isto aqui para que saibam o quanto o Som fêz e faz parte de minha vida, e o porque eu adoro este assunto !

Paulo

  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Isso @aphawk!

Numa apresentação, se cada instrumento estiver em um amp diferente, talvez poderá se somar as potências hehehe

É que cada amplificador tocara sons diferentes... Claro que se um amplificador estiver tocando 100Hz a 100W e outro estiver tocando 1khz a 10W, a potência disso é 110W.... Mas se você tem guitarra em 1 amplificador de 100W e bateria em outro de 200W, talvez tenha 300W, mas apenas se o sinal da guitarra puder excitar os 100W sozinha e independente... A mesma coisa com a bateria...

Mas isso só nas bandas de músicos pequenas onde cada musico utiliza seu equipamento direto no amplificador...

Num show grande, os sinais não são separados, são misturados e vão para os amplificadores de alta potência, que vão tocar as caixas.. Nesse caso é como se fosse apenas 1 amplificador (mono) tocando um sinal único (ja com todos os instrumentos e freqüências) sendo assim se tiver 100 amplificadores de 2kW, esse show terá 200.000 Watts RMS! Pois os 100 tocarão o mesmo sinal, Todas as caixas produzirão o mesmo som, então a massa de ar deslocada se somarão!!

Agora nesses aparelhos domésticos tipo Home theater ou Mini systen onde possui canais para cada faixa de frequência, ai não se soma, so se leva em consideração a potência do amplificador maior, que sempre é os de subwoofer... Se tal som possui 250W pra graves e 250W pra agudos, esse som valera somente 250W rms... Ou 500W se for stereo...

Agora em home que possui vários canais, somente se soma as potências resultantes de cada canal: ex

Tal home possui 4 canais, e cada canal possui amplificador para graves e agudos, 100W graves, 20W agudos. E os 4 canais sao iguais, resultando em 480W em "amplificadores" (seria esse valor que o fabricante colocaria na etiqueta do aparelho).

Mas esse som equivale a apenas 400W rms!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×