Ir ao conteúdo
  • Cadastre-se

Cobertura do lançamento dos processadores EPYC de segunda geração da AMD

       
 6.190 Visualizações    Artigo  
 16 comentários

Acompanhamos o evento de lançamento dos novos processadores EPYC da AMD, voltados para servidores, fabricados com processo de 7 nm e com até 64 núcleos e 128 threads.

Cobertura do lançamento dos processadores EPYC de segunda geração da AMD
Rafael Coelho Editor-chefe do Clube do Hardware

Na semana passada, fomos a San Francisco, nos EUA, a convite da AMD, para um evento chamado "Next Horizon". Uma das novidades apresentadas foi o lançamento dos processadores EPYC de segunda geração, baseados na arquitetura Zen 2 e processo de fabricação de 7 nm.

Os processadores EPYC são voltados a datacenters, ou seja, não são processadores para computadores domésticos, porém utilizam a mesma arquitetura básica x86-64 encontrada nos computadores de mesa "comuns". Na verdade, os processadores EPYC de primeira geração, lançados em 2017, utilizam a mesma arquitetura de núcleos Zen utilizada nos processadores Ryzen 3, Ryzen 5, Ryzen 7 e Ryzen Threadripper.

O codinome destes novos processadores EPYC de segunda geração é "Rome", e eles são baseados na nova arquitetura "Zen 2".

O evento começou com uma apresentação feita pela presidente da AMD, Lisa Su, que enfatizou o uso destes processadores em simulações de larga escala, previsão do tempo, estudos sobre energia e biologia computacional, análise de "big data", inteligência artificial e demais aplicações que demandam alto desempenho de processamento em nuvem.

rome01.jpg

Figura 1: apresentação da nova linha de proessadores

Foi apresentada a nova parceria da AMD com a AWS (o serviço de nuvem da Amazon), que passa a utilizar servidores baseados em processadores EPYC.

A seguir, acompanhamos a fala de Mark Papermaster, CTO (Chief Technology Officer) de tecnologia e engenharia da AMD. Ele apresentou o roadmap dos núcleos de processadores da AMD, com o arquitetura "Zen" utilizada pelos processadores Ryzen e EPYC de primeira geração, fabricada em 14 nm, a arquitetura "Zen+", de 12 nm, utilizada pelos processadores Ryzen de segunda geração (como este, por exemplo), e a agora anunciada arquitetura "Zen 2", fabricada em 7 nm, e que será utilizada primeiramente pelos processadores EPYC de segunda geração. Também foi anunciada a arquitetura "Zen 3", com lançamento previsto para 2020.

rome02.jpg

Figura 2: roadmap

Segundo a AMD, estes núcleos fabricados em 7 nm têm uma densidade de transistores duas vezes maior do que a da geração anterior, possibilita um consumo energético 50% menor mantendo o mesmo desempenho ou um desempenho pelo menos 25% superior mantendo o mesmo consumo.

Além da tecnologia de fabricação em 7 nm, a geração Zen 2 recebeu uma otimização no pipeline de execução, no circuito de previsão de desvios, no cache de instruções e na unidade de ponto flutuante, que passa a ter 256 bits, em vez de 128 bits como na geração anterior. Todos estes avanços permitem, de acordo com a AMD, um grande aumento no desempenho por núcleo, em relação à arquitetura anterior.

rome03.jpg

Figura 3: previsão de consumo e desempenho

Os processadores EPYC da geração "Rome" utilizam uma estrutura modular, onde os núcleos de processamento e circuitos de entrada e saída são feitos em pastilhas de silício independentes (chamadas pela AMD de "chiplets"), interligadas entre si pelo barramento Infinity Fabric.

rome04.jpg

Figura 4: Lisa Su apresentando o EPYC Rome

Com este desenho modular, os processadores EPYC Rome podem ter até 64 núcleos físicos e 128 threads. Neste modelo, o encapsulamento do processador tem oito chips com os núcleos de processamento, fabricados em 7 nm, e e posicionados sobre um substrato contendo um chip de entrada e saída (I/O), que tem em seu interior os controladores de memória, PCI Express, etc. Este chip de entrada e saída é fabricado em 14 nm, segundo a AMD por ser uma tecnologia mais madura.

Cada chip (ou "die") com núcleos de processamento inclui dois CCX ("Core Complex"), e cada CCX possui quatro núcleos. Esta estrutura é semelhante à utilizada em todos os processadores Ryzen até agora, o que nos permite supor que em breve estes núcleos "Zen 2" de 7 nm estarão presentes nos processadores Ryzen de terceira geração voltados a usuários domésticos. A AMD ainda mantém em sigilo, porém, mais detalhes sobre os novos CCX, como a quantidade de cache, por exemplo.

Os processadores oferecem suporte a memória DDR4 em oito canais, com correção de erros (ECC).

Outra novidade é o uso de conexão PCI Express 4.0: os novos processadores EPYC Rome são os primeiros anunciados a utilizar esta tecnologia, que duplica a largura de banda disponível no atual padrão PCI Express 3.0. Estes processadores oferecem 128 pistas PCI Express 4.0.

rome05.jpg

Figura 5: apresentação da estrutura modular do processador

Também foi informado que os novos processadores EPYC da família "Rome" utilizam o mesmo soquete e são compatíveis com as placas-mãe para os modelos "Naples" de primeira geração. Além disso, foi prometido que a próxima geração, "Milan", baseada na arquitetura Zen 3, também será compatível com as placas-mãe atuais.

Obviamente, alguns recursos como conexão PCI Express 4.0 só estarão disponíveis quando forem utilizadas placas-mãe mais modernas.

A ideia geral que foi passada é que, graças ao processo de fabricação de 7 nm, foi possível fabricar um processador com 64 núcleos, o que permite que um computador com apenas um soquete tenha 128 threads. A ideia da AMD é, portanto, oferecer servidores com um único processador com desempenho semelhante aos modelos concorrentes (da Intel) que utilizam dois processadores, reduzindo assim o custo para datacenters.

rome06.jpg

Figura 6: Lisa Su finalizando a apresentação

Depois foi apresentada uma demonstração onde um computador utilizando um processador EPYC "Rome" com 64 núcleos renderizava uma imagem, sendo, segundo a AMD, mais rápido do que um sistema com dois processadores Intel Xeon 8180M (com 28 núcleos cada).

Pudemos fotografar uma dessas máquinas onde os protótipos estão instalados, mas, infelizmente, não pudemos vê-los em mais detalhes.

rome07.jpg

Figura 7: protótipo utilizando o EPYC de 64 núcleos

Na Figura 8, vemos uma ilustração dos módulos que compõe o processador EPYC com 64 núcleos. O chip grande ao centro têm os circuitos de entrada e saída do processador e é fabricado em 14 nm, enquanto cada um dois oito chips menores ("chiplets") contêm oito núcleos de processamento e é fabricado em 7 nm.

rome08.jpg

Figura 8: estrutura modular do processador EPYC "Rome" de 64 núcleos

Compartilhar

  • Curtir 8
  • Amei 1


  Denunciar Artigo

Artigos similares


Comentários de usuários


Para nós, usuários domésticos, este chip serve como vislumbre do futuro. 2019 vai ser um ano e tanto para a AMD. 🤞🏼

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
49 minutos atrás, Rodrigo J Polette disse:

😮😮

 

O que a Intel anda fazendo diante de tantas melhorias por parte da AMD?

Economicamente, ganhando dinheiro.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
1 minuto atrás, rodrigoultratech disse:

Economicamente, ganhando dinheiro.

🤣🤣

 

Verdade! Esqueci desse detalhe.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Alguém talvez saberia disse a qual processador da intel esse dai concorre ? em preço/desempenho?

Sei que ainda não está no mercado..

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
4 minutos atrás, Henrique-gs disse:

Alguém talvez saberia disse a qual processador da intel esse dai concorre ? em preço/desempenho?

Sei que ainda não está no mercado..

Concorre com os Xeon da Intel.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
23 minutos atrás, Rafael Coelho disse:

Concorre com os Xeon da Intel.

Sim, isso eu sei, mas qual modelo?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
1 minuto atrás, Henrique-gs disse:

Sim, isso eu sei, mas qual modelo?

Como está no texto, no evento eles compararam o desempenho do EPYC Rome de 64 núcleos ao de um sistema com dois processadores Xeon 8180M.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
4 horas atrás, Rafael Coelho disse:

Como está no texto, no evento eles compararam o desempenho do EPYC Rome de 64 núcleos ao de um sistema com dois processadores Xeon 8180M.

Isso mesmo, fizeram um sanduba com 2 Xeon 8180M e ainda deu comparativo com o EPYC Rome.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Rafael Coelho, futuramente teremos aquelas analises detalhadas sobre a arquitetura ZEN2 e os seus melhoramentos?

 

Uma dúvida que poucos sites comentaram ou mostraram foi que cada CCX teriam  8 núcleos com um cache L3 e não como você afirmou que seria igual como a arquitetura ZEN que tem 2 CCX de 4+4 interligados por um link IF e cada uma com o seu cache L3.

Acredito que você tenha confundido o slide que mostra a arquitetura ZEN vs a ZEN2, porque já foi dito pela a AMD que o chiplet seria de 8 núcleos e não igual na arquitetura ZEN 1 que são 4 núcleos com cache L3, sendo que para formar um chip de 8 núcleos são 2 CCX utilizados. AMD-Zen-vs-Zen-2-900x507.jpg.7f6ab09728cc10ca451d1b14a7087fbf.jpg

 

Exemplo da Arquitetura ZEN 1

1611673208_AMD-EPYC-Infinity-Fabric-Topology-Mapping(1).thumb.jpg.7ef191b63f5b4d00c358108806fb71af.jpg

 

A nova arquitetura ZEN 2 deve ser igual as fotos abaixo com um CCX de 8 núcleos com um cache L3.

Dr3NtmvVsAE_VCg.thumb.jpg.da94c0951336b083304bafbc466c2e59.jpgDr3Og0-VsAAR20k.thumb.jpg.3be2047e00f3e77ce54b41a25d316c00.jpg

 

Outra dúvida, na arquitetura ZEN 1 a AMD fabricava cada CCX com 4 núcleos e depois unia eles em um chip para formar um 8 núcleos? Porque pelo que entendi da fabricação do ZEN2 a AMD tentou deixar o chip de 8 núcleos o menor possível , tendo apenas as memórias L1,L2 e L3 com um link IF para poder maximizar os rendimentos de produção em 7nm.

 

Att

 

 

Dr3NqI0U8AE_W_t.jpg

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
2 horas atrás, AZM disse:

Rafael Coelho, futuramente teremos aquelas analises detalhadas sobre a arquitetura ZEN2 e os seus melhoramentos?

Uma dúvida que poucos sites comentaram ou mostraram foi que cada CCX teriam  8 núcleos com um cache L3 e não como você afirmou que seria igual como a arquitetura ZEN que tem 2 CCX de 4+4 interligados por um link IF e cada uma com o seu cache L3.

Acredito que você tenha confundido o slide que mostra a arquitetura ZEN vs a ZEN2, porque já foi dito pela a AMD que o chiplet seria de 8 núcleos e não igual na arquitetura ZEN 1 que são 4 núcleos com cache L3, sendo que para formar um chip de 8 núcleos são 2 CCX utilizados.

Exemplo da Arquitetura ZEN 1

A nova arquitetura ZEN 2 deve ser igual as fotos abaixo com um CCX de 8 núcleos com um cache L3.

Outra dúvida, na arquitetura ZEN 1 a AMD fabricava cada CCX com 4 núcleos e depois unia eles em um chip para formar um 8 núcleos? Porque pelo que entendi da fabricação do ZEN2 a AMD tentou deixar o chip de 8 núcleos o menor possível , tendo apenas as memórias L1,L2 e L3 com um link IF para poder maximizar os rendimentos de produção em 7nm.

Att

Por enquanto muitos detalhes ainda não foram divulgados. Nem ficou claro qual é a estrutura de cada "chiplet" do EPYC ROME, só se sabe que são oito núcleos em cada, mas não foram divulgadas informações como estrutura de CCX e cache. E também não sabemos se os processadores Ryzen a utilizar a arquitetura Zen 2 vai usar um chiplet igual ao Rome ou se vai ser uma estrutura diferente.

Então sim, a ideia é fazer um artigo sobre a arquitetura Zen 2 assim que a AMD divulgar mais informações.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

@Rodrigo J Polette, acredito que não. É mais provável os ARM's invadirem o mercado de computadores domésticos, dominando-o do que os x86 conquistarem o mobile.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
3 horas atrás, Rodrigo J Polette disse:

7nm talvez lancem algo para celular hehehehehe

Já imaginou? Celular com Ryzen. 😍

 

Não adinta usar processo de 7 nm se tem um quasilhão de transístores no chip. ;)

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora





Sobre o Clube do Hardware

No ar desde 1996, o Clube do Hardware é uma das maiores, mais antigas e mais respeitadas publicações sobre tecnologia do Brasil. Leia mais

Direitos autorais

Não permitimos a cópia ou reprodução do conteúdo do nosso site, fórum, newsletters e redes sociais, mesmo citando-se a fonte. Leia mais

×