Entre para seguir isso  
Seguidores 0

Vale a pena investir em um processador topo de linha para jogos?

       
 113.334 Visualizações    Testes  
 21 comentários

Vale a pena comprar um processador topo de linha para montar um computador para jogos ou é melhor comprar um processador mais simples e investir a diferença em uma placa de vídeo mais “parruda”? Confira nosso teste e conclusões!

Rafael Coelho Editor-chefe do Clube do Hardware

Introdução

Uma das perguntas mais comuns que ouvimos de usuários é se vale a pena comprar um processador topo de linha para montar um computador para jogos ou se é melhor comprar um processador mais simples e investir a diferença em uma placa de vídeo mais “parruda”. Em nosso teste de hoje veremos o quanto o processador da máquina influi no desempenho em jogos.

Antes de mais nada, é preciso ter em mente que, assim como nos testes anteriores, este é um levantamento com a finalidade exclusiva de testar um mito, satisfazer uma curiosidade, e não ser um comparativo direto entre os processadores testados, já que, além de incluir um processador já fora de linha, também inclui processadores de diferentes faixas de preço, consumo elétrico e mercado-alvo, que não concorrem diretamente entre si.

Também convém lembra que o processador Core i7-4770K é considerado um processador topo de linha, mas obviamente não é o modelo mais topo de linha do mercado atualmente, pois dentro da mesma família (e para o mesmo soquete) ainda existe o Core i7-4790K e os novos processadores Core i de quinta geração, isso sem falar nos processadores soquete LGA2011-v3, como o Core i7-5960X, que nós já testamos. Para saber quais são os processadores topo de linha da Intel, consulte nosso artigo “Todos os Modelos do Core i7.

Por se tratar de um teste voltado ao desempenho em jogos, nós instalamos uma placa de vídeo intermediária (GeForce GTX 750, lançada em fevereiro de 2014) e desabilitamos o vídeo integrado em todos os testes. Optamos por não utilizar uma placa de vídeo topo de linha pois quem pode comprar uma provavelmente não vai se preocupar em economizar no processador. Assim, a pergunta que realmente pretendemos responder é se vale a pena investir em um processador topo de linha, quando usando uma placa de vídeo intermediária, ou seja, se o processador representa um “gargalo” numa configuração com uma placa de vídeo intermediária.

Além do Core i7-4770K (um processador topo de linha), incluímos um Core i3-4150 (intermediário/básico), um Pentium G3220 (básico) e um Core 2 Quad Q8300 (representando processadores intermediários/topo de linha antigos). Infelizmente não tínhamos um Core i5 disponível ao fazer este teste. Não incluímos processadores da AMD porque o objetivo deste teste não é comparar o desempenho entre produtos concorrentes diretos, mas verificar um mito.

A Figura 1 mostra um dos processadores utilizados: o Core i3-4150, que é um processador intermediário atual.

Vale a pena investir em um processador topo de linha para jogos?
Figura 1: um dos processadores testados

 Vamos comparar as principais características dos processadores testados na próxima página.

Compartilhar

1 pessoa curtiu isso


Entre para seguir isso  
Seguidores 0

Comentários de usuários


Acho que pegar algo mais simples valha mais a pena, porque quem pega um topo de linha quer ter o melhor, pois necessidade não há de algo assim para jogar, e logo na próxima geração ele deixa de ser top e o usuário irá querer trocar.

 

Além disso processadores ficam defasados rapidamente em virtude de novas tecnologias, o que torna o investimento não tão vantajoso.

 

Para mim, o correto é comprar um intermediário que segure jogos por alguns anos e depois fazer a troca por algo mais novo e atualizado.

 

Fiquem com Deus!

4 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Nossa, vou por em minha assinatura hahahhaha

Só achei que deveria ter usado uma GPU intermediaria, pra sanar também os "Meu processador aguenta essa GPU".

Mas excelente o teste!

3 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Hoje montar um pc tem que ter em vista a margem de jogos e desempenho em outros programas. Nada adianta ter um processador top e os outros componentes em estado lastimável! Sim, quer investir, invista sempre em um equilíbrio de componentes, como tu pode colocar i7 4790k com uma placa com chipset h81e uma gpu gtx750, se eu fosse pegar um processador desse porte, acompanharia uma placa mãe chipset z97 e uma gpu hrs 980ti para um poder quase total dos componentes.

2 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Excelente artigo. Poque vocês não usam o programa MSI afterburner para coletar os dados? seria mais interessante porque se consegue informações sobre o uso de cada núcleo do processador, além de também medir o uso da placa de vídeo o os quadros por segundo. O artigo ficaria muito mais rico e completo.

3 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Excelente artigo. Poque vocês não usam o programa MSI afterburner para coletar os dados? seria mais interessante porque se consegue informações sobre o uso de cada núcleo do processador, além de também medir o uso da placa de vídeo o os quadros por segundo. O artigo ficaria muito mais rico e completo.

Vamos pesquisar, obrigado pela sugestão.

3 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Para jogar offline, processadores de 2 núcleos ainda rodam a maioria dos jogos, com desempenho satisfatório.

Entre em uma partida online com 64 jogadores no Battlefield 4 e veja o Core i3 "morrer".

Parabéns pelo teste.

5 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Fiquei bem impressionado com o desempenho do lendário C2Q. Isto pode até ajudar muitos que utilizam este processador para rodar games, visto o atual cenário econômico que vivemos, em que hardwares de entrada sofreram considerável elevação nos preços, inviabilizando consumidores cujos orçamentos não permitem upgrades. 

Tenho até uma sugestão, caso esteja ao alcance do CDH, que seriam comparar um determinado modelo de uma geração de processadores como por exemplo: Core i3 de primeira, segunda, terceira e quarta geração, claro, se houver condições, pois vejo muitos perguntando qual a diferença de um processador Core (i3, i5 e i7) de primeira geração com um Core de geração atual por exemplo.

Parabéns pela matéria e pelos resultados obtidos. Com certeza as análises irão ajudar muita gente que possuem tais processadores a pensar mais sobre o que comprar, antes de tomar decisões equivocadas.

Editado por wilsansilva
3 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Gostei muito do artigo, apesar de não apresentar nenhum processador de 8 núcleos.

Cheguei a conclusão de que ainda vou ficar com o Phenom II X4 965 por mais alguns anos, já que os jogos não usam tantos núcleos. Só espero que a AMD saia dessa crise e crie processadoes tão bons quanto foram os Phenom's de uns anos atrás.

3 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Se analisar direitinho, a diferença de desempenho de uma geração para a seguinte de processadores já não é tão grande quanto antigamente. 

Hoje você consegue usar um processador top ou mesmo intermediário de 6 anos atrás (um phenom II x4, por exemplo)com desempenho satisfatório para muitas tarefas. 
Volte o calendário para 2004 (o topo de linha era penti) e um processador de 1998 (pentium  1 ou 2)e a história não se repete...

Essa pra mim é o mérito do artigo, demonstrar que a evolução do desempenho dos processadores já não caminha tão rapidamente quanto há 10 ou 15 anos atrás 

Editado por igorviguini
4 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Se analisar direitinho, a diferença de desempenho de uma geração para a seguinte de processadores já não é tão grande quanto antigamente. 

Hoje você consegue usar um processador top ou mesmo intermediário de 6 anos atrás (um phenom II x4, por exemplo)com desempenho satisfatório para muitas tarefas. 

Volte o calendário para 2004 (o topo de linha era penti) e um processador de 1998 (pentium  1 ou 2)e a história não se repete...

Essa pra mim é o mérito do artigo, demonstrar que a evolução do desempenho dos processadores já não caminha tão rapidamente quanto há 10 ou 15 anos atrás 

Será que isso não tem relação com a própria evolução mais lenta dos programas e jogos? Quantos jogos usam mais que 2 núcleos, por exemplo?

3 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Se analisar direitinho, a diferença de desempenho de uma geração para a seguinte de processadores já não é tão grande quanto antigamente. 

Hoje você consegue usar um processador top ou mesmo intermediário de 6 anos atrás (um phenom II x4, por exemplo)com desempenho satisfatório para muitas tarefas. 

Volte o calendário para 2004 (o topo de linha era penti) e um processador de 1998 (pentium  1 ou 2)e a história não se repete...

Essa pra mim é o mérito do artigo, demonstrar que a evolução do desempenho dos processadores já não caminha tão rapidamente quanto há 10 ou 15 anos atrás 

Concordo plenamente com o seu ponto de vista, hoje em dia a evolução da geração nos processadores é mais questão de marketing, pois o ganho em desempenho não é tão significativo assim, como aconteceu no passado e ainda acontece com os barramentos de transmissão de dados como o SATA I, II e III, PCI-E 2.0 para 3.0, embora esta evolução aconteça de forma mais lenta, o ganho em desempenho é significativo.

Será que isso não tem relação com a própria evolução mais lenta dos programas e jogos? Quantos jogos usam mais que 2 núcleos, por exemplo?

Em relação aos jogos acho que não, pois os jogos não são otimizados para processadores com muitos núcleos porque eles representam uma fatia pequena no mercado, como os jogos foram feitos para vender, os desenvolvedores preferem que o jogo rode na maior quantidade de maquinas possíveis, mesmo que isso signifique uma queda no gráfico em geral.

4 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Vale lembrar que as novas APIs (vulkan, dx12, metal, etc...) prometem otimizar o uso dos processadores. Dessa forma o gargalo das cpus tenderá a ser menor daqui para frente. Isso significa que modelos como o i3 eo fx, por exemplo, terão desempenho satisfatório por um bom tempo aida.

4 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Artigo excelente! Ansioso por mais matérias como essa! Mythbusters do hardware hahaha! :D

 

Talvez não faça tanta diferença assim (nos processadores com quatro núcleos físicos, claro), mas nos próximos testes, pra deixá-los ainda mais ricos de informação, podia desativar o Hyper-Threading na bios, pra ver se os jogos realmente se beneficiam dos núcleos virtuais. Rafael, você pode, também, ensinar a como desabilitar o "core parking", que, em tradução direta, é o estacionamento dos núcleos, que é quando alguns núcleos do processador ficam em desuso, com a utilização mais concentrada em apenas um ou dois. Fiz o procedimento depois que achei instruções em fóruns, e tenho que dizer que a diferença foi notável na jogatina, principalmente em partidas de multiplayer, como Battlefield 4, reduzindo bastante os travamentos de conexão e melhorando a fluidez das partidas online (fiz os testes com conexão a cabo e num mesmo hóriario, para evitar variações nos resultados). Os artigos estão cada vez mais interessantes (e quem sou eu para pedir mais heheh!)  :P

Abraços!

5 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Será que isso não tem relação com a própria evolução mais lenta dos programas e jogos? Quantos jogos usam mais que 2 núcleos, por exemplo?

 

Concordo plenamente com o seu ponto de vista, hoje em dia a evolução da geração nos processadores é mais questão de marketing, pois o ganho em desempenho não é tão significativo assim, como aconteceu no passado e ainda acontece com os barramentos de transmissão de dados como o SATA I, II e III, PCI-E 2.0 para 3.0, embora esta evolução aconteça de forma mais lenta, o ganho em desempenho é significativo.

Em relação aos jogos acho que não, pois os jogos não são otimizados para processadores com muitos núcleos porque eles representam uma fatia pequena no mercado, como os jogos foram feitos para vender, os desenvolvedores preferem que o jogo rode na maior quantidade de maquinas possíveis, mesmo que isso signifique uma queda no gráfico em geral.

 

Vale lembrar que as novas APIs (vulkan, dx12, metal, etc...) prometem otimizar o uso dos processadores. Dessa forma o gargalo das cpus tenderá a ser menor daqui para frente. Isso significa que modelos como o i3 eo fx, por exemplo, terão desempenho satisfatório por um bom tempo aida.

 

Aproveitando o assunto: a constatação de que hardware e software não andam no mesmo ritmo (há tempos, diga-se de passagem), sendo que o hardware está sempre à frente, ratifica as conclusões desses excelentes testes que estão sendo feitos pelo Clube do Hardware: você não precisa ter os últimos modelos de processadores para ter desempenho satisfatório.

 

Na contramão do consumo cada vez maior e do que dizem as campanhas de marketing de alguns fabricantes, é importante avaliar o custo x benefício daquilo que se deseja antes de comprar produtos novos e descartar o que temos.

 

Obrigado por mais essa "bateria" de bons testes, @Rafael Coelho! thumbsup.gif

4 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Uma das perguntas mais comums que ouvimos de usuários é se vale a pena comprar um processador topo de linha para montar um computador para jogos ou se é melhor comprar um processador mais simples e investir a diferença em uma placa de vídeo mais “parruda”.

 

Além do "comums" rs, infelizmente faltou exatamente o que disse o primeiro parágrafo do artigo, e que eu nunca vi em teste algum:

 

Processador de R$ 1500 e VGA de R$ 500 contra processador de R$ 500 e VGA de R$ 1500 (i3 4150 e GTX 970). Além de processador e VGA de R$ 1000 cada (i5 e GTX 960 por exemplo) rs. O total não muda, mas o resultado final deve mudar bem.

 

Mas muito bacana o artigo.

3 pessoas curtiram isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Além do "comums" rs, infelizmente faltou exatamente o que disse o primeiro parágrafo do artigo, e que eu nunca vi em teste algum:

 

Processador de R$ 1500 e VGA de R$ 500 contra processador de R$ 500 e VGA de R$ 1500 (i3 4150 e GTX 970). Além de processador e VGA de R$ 1000 cada (i5 e GTX 960 por exemplo) rs. O total não muda, mas o resultado final deve mudar bem.

 

Mas muito bacana o artigo.

 

Obrigado por apontar o erro de digitação!

Quanto à sugestão, a questão é que a resposta é óbvia... Se com a mesma placa de vídeo não faz muita diferença, obviamente um computador com processador de R$500 e placa de video de R$1500 vai ser muito mais rápido em jogos do que outro com processador de R$1500 e placa de vídeo de R$500. Mas vamos ir pensando em testes que possam ficar interessantes, obrigado pela sugestão!

1 pessoa curtiu isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Olá, acompanhando a análise pude ver que esta apenas mostra que os processadores não são gargalo para uma placa de vídeo média. A questão que não foi avaliada é que em alguns jogos mais pesados, o gargalo fica por conta do uso do processador no jogo. Essa situação poderia ter sido melhor comprovada usando o MSI Afterburner mostrando o uso dos núcleos do processador. Seria muito fácil ver o antigo Q8300 e os 2 dual core mais novos no limite de suas capacidades rodando BF4 ou GTA5.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Um dia desses tive uma discussão no youtube justamente sobre isso.O cara não queria aceitar que um processador mais antigo,mais básico ou mais robusto não faz diferença para os jogos se você tiver uma boa placa de vídeo.

Vou esfregar esse teste na cara dele.:devil:

Editado por VVanderson
1 pessoa curtiu isso

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar agora